nº 1692 – Homilia do 28º Domingo Comum (15.10.17)

A festa do Reino 

Um banquete para todos

Mateus continua apresentando o Reino através diversas parábolas. A narrativa sempre remete a um ensinamento e não retrata um fato. No texto corrente temos a parábola da festa do casamento do filho do rei. O banquete é um símbolo muito rico nas Escrituras. O rei mandou os empregados chamarem todos. Manda dizer: “As comidas preciosas já estão prontas, os animais preparados, tudo pronto”. Os convidados não quiseram ir. Insiste: Vinde à festa. Além de recusarem, ainda maltratam os empregados e até matam. Continua sendo a história do povo de Deus que não acolhe seus constantes chamados a participar da vida plena do Reino. O rei é o Pai e o filho é Jesus que se une à humanidade. O Pai chama para participar da festa do casamento de seu Filho que se encarnou e se uniu a sua esposa, a humanidade. As comidas preciosas significam as riquezas do Reino. O Reino não é uma expectativa do futuro, mas presente. Os bens do Reino são oferecidos ao povo escolhido. Mas houve a recusa. Então do rei diz que os convidados não foram dignos e manda que chamem todos que encontrarem pelas ruas, os sem nome, sem títulos e sem bens. Estes acolheram. Deus abre as riquezas do reino a todos. Deus não seleciona ao convidar. Participar de um banquete é unir-se a quem convidou, o anfitrião, vestindo a roupa própria, isto é, vivendo a mesma vida. Era costume, nas festas grandes, os convidados receberem presentes, inclusive roupas preciosas. A veste nupcial significa a participação da vida divina. Sem ela nos perdemos e somos lançados fora.

Não posso ir

            Cada um arranjou desculpas para não ir ao banquete. Rejeitar uma festa boa significa recusar a pessoa que convidou. Qualquer desculpa serve. Certos convites implicam obrigação. É a festa do Reino. O rei convida os especiais, como dizemos: não podemos esquecer tais pessoas. E insiste diversas vezes. Mesmo assim não adiantou. O crime de recusar e matar os empregados enviados pelo rei é um crime contra o rei. Assim vem a vingança: morte e cidades incendiadas. A recusa que Jesus sofreu abriu para todos a possibilidade de participar do Reino, o que não era possível antes, por não serem do povo de Israel. As desculpas que deram, como também Lucas escreve (Lc 14,18-20), são de ordem econômica, afetiva e de  ganância etc… Para se justificar em não se comprometer com o Reino qualquer coisa serve. Pior de todas as razões é a displicência do egoísmo e falta de compromisso. Para nós, Deus serve enquanto nos serve. Por isso vemos que os pobres acolhem com generosidade. Na Igreja sempre contaremos com os desvalidos da vida, pois abrem o coração ao convite de Deus. Mesmo não tendo condições humanas, sabem dar a vida. Nada perturbe nosso encontro com Deus. Não vamos perder a festa do Reino.

Um mundo feito para todos

            No mundo atual vemos larguíssima faixa de população que não tem acesso aos bens necessários para a vida digna. E isso não é problema. Dormimos felizes. Isaias sonha com um banquete no monte Sião, centro da fé de Israel, aberto a todos os povos. Jesus realiza essa profecia. Vai eliminar todo o sofrimento e dor.  Isso vai acontecer se assumirmos Jesus como nosso pastor (Sl. 22). Chegaremos a essa segurança quando dissermos: “Tudo posso Naquele que me conforta”… “Deus proverá com sua riqueza a todas as vossas necessidades em Cristo Jesus” (Fl 4,13.19). Só teremos verdadeira participação nas riquezas do Reino, se soubermos convidar os outros partilhando a alegria do Reino. E vale a pena.

Leituras:Isaias 25,6-10ª;Salmo 22; Filipenses 4,12-14.119-20;Mateus 22,01-14

Ficha nº 1692 – Homilia do 28º Domingo Comum (15.10.17)

  1. Todos são convidados por Jesus ao grande banquete do Reino. Não podemos recusar.
  2. As justificativas para recusar nos excluem.
  3. Há muitos deixados de lado no banquete da vida. Compete a nós buscá-los 

             Essa festa eu não perco 

              Hoje choveu em nossa horta: Primeiro, um banquete da festa de casamento do filho do rei. Depois, o profeta fala de um banquete preparado para todos os povos. O salmo diz que Deus prepara uma mesa para nós. Paulo ensina que Deus supre todas as nossas necessidades. O que precisa mais?

            A abundância de banquetes significa o Reino de Deus que é oferecido a todos. Nele temos todas as belezas de coisas gostosas. Rezamos no salmo: “O Senhor é o pastor que me conduz nada me falta”. Para as ovelhas apresenta prados e água abundante.

            O profeta afirma ainda que além da abundância e das comidas chiques, Deus aliviará de todos os sofrimentos. “Enxugará as lágrimas de todas as faces”. Vai ser muito bom.

            Todos são chamados. Ninguém é obrigado. Mas… Não considerar o convite e quem convidou, não é um bom negócio. Relembra aí a história do povo que recusou os convites de Deus por motivos fúteis. E ainda maltratam os servos enviados para convidar.

            É preciso estar sempre com o uniforme na certeza que “tudo posso naquele que me conforta”.

 

Anúncios
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: