Anúncios

nº 1728 – Homilia do 1º Domingo da Quaresma (18.02.18)

“Vou estabelecer minha aliança”

Jesus é salvador

            Celebramos na Páscoa a vitória de Jesus sobre a morte e nossa conversão para que os frutos de seu Mistério Pascal penetrem nossa vida e a mudem. No primeiro domingo da Quaresma sempre temos a passagem que nos conta a tentação de Jesus. Quando dizemos que Jesus veio salvar-nos de nossos pecados, conforme o anúncio do Anjo quando lhe deu o nome (Mt 1,21), entendemos a tônica desse tempo litúrgico. Ao buscar o perdão e proclamar que Jesus veio para salvar dos pecados, estamos vivendo bem a preparação da celebração da Páscoa. Pecados são descritos pelos evangelistas como todos os males do mundo, compreendidos todos na irracional busca dos bens materiais, na ganância do poder e na loucura do prazer pelo prazer. Tudo é bom, desde que buscado no processo de conversão a Jesus. Jesus cura o que é do mal. Nesse domingo temos dois pólos: a aliança de Deus oferecida como paz e a tentação que empurra para o pecado. Jesus vencendo a tentação abriu para nós a porta da vitória sobre o mal. Fomos tentados Nele e Nele vencemos, diz S. Agostinho. Marcos não descreve a tentação de Jesus, como Mateus e Lucas. Os três evangelistas sinóticos (Mateus, Marcos e Lucas) anotam que Jesus estava cheio do Espírito Santo e era por Ele conduzido. Vencer a tentação não é somente uma vitória da força pessoal, mas correspondência ao Espírito de Deus que habita em nós, como em Jesus. Sua vitória torna-O vigoroso no combate contra o mal até à cruz, onde tem a tentação final (Lc 4,11). Por isso Jesus é o Salvador de todos os males.

Aliança do Batismo

            Os cinco domingos da Quaresma nesse ano (que é o Ano B, no esquema litúrgico), traz, na primeira leitura, a narrativa das alianças que Deus fez com seu povo até à aliança selada com o sangue de Jesus em sua Páscoa. Como toda a Quaresma tem um sentido batismal, compreendemos o texto da primeira carta de Pedro que usa a arca de Noé como símbolo do Batismo. Como Deus, pelo dilúvio, purificou a humanidade pela água e salvou pela arca, o Batismo purifica e salva colocando na arca, que é a Igreja, o Reino de Deus. Não é só uma purificação exterior, mas interior para a vida nova dada pela ressurreição de Jesus. A aliança que Deus faz com Noé é a promessa de não destruir o mundo nem as pessoas que forem salvas pelo Batismo das águas. Cada batizado está em aliança com Deus e não verá a destruição. Deus colocou seu arco de guerra no céu (simbolizado pelo arco–íris). Assim começa uma humanidade nova, como a pequena família de Noé começou um mundo novo. Refletindo a temática da aliança, iniciamos pela aliança com a terra depois do Dilúvio, a aliança para uma descendência com Abraão, a aliança para a formação de um povo, a aliança do coração e a nova aliança com Jesus, no seu sangue. Esta é definitiva.

Mostrai vossos caminhos

A conversão é uma atividade espiritual que acompanha o crescimento da vida de Cristo em nós. Ela não tem limites e nem se sacia no vazio de ações sem compromisso. Na primeira tentação Jesus coloca o alimento da Palavra que sacia, a humildade que sustenta e a adoração que liberta. O salmo reza: “Vossa verdade me oriente e me conduza”, “o Senhor dirige os humildes na justiça”, pois o “Senhor é ternura e compaixão”. A oração da missa nos convida a viver esse Sacramento da Quaresma com ações concretas de conversão, correspondendo ao amor que nasce do conhecimento de Jesus Cristo. O homem que é pó, com as águas do Batismo, se torna o barro onde Deus faz o homem novo.

Leituras:Genesis 9,8-15; Salmo 24; 1 Pedro 3,18-22;Marcos 1,12-15.

Ficha nº 1728 – Homilia do 1º Domingo da Quaresma (18.02.18)

  1. Vencer a tentação não é só uma vitória pessoal, mas correspondência ao Espírito.
  2. O Batismo é uma aliança que nos purifica e nos coloca na barca da Igreja
  3. Responder à chamada de conversão é o caminho da purificação.

Afogando o Satanás 

            A Quaresma traz grande riqueza de temas para nosso conhecimento e conversão.  A narrativa do Dilúvio é de extraordinária beleza e nos desperta para a necessidade de purificação para começar um mundo novo. A Igreja é simbolizada pela arca de Noé. As águas que destroem o mundo simbolizam a água do Batismo que destrói o mal e promove a vida nova.

            Jesus, vencendo a tentação nos encoraja para enfrentar o tinhoso e jogá-lo nas águas profundas que o afogam e nos purificam.

            Em todo o processo de preparação para a Páscoa temos a certeza da aliança de Deus conosco, como fez no passado. Temos confiança que toda a conversão não é uma luta pessoal, mas é dom do Espírito que conduziu Jesus ao deserto e O sustentou.

            Tudo isso nos alerta a ouvir o chamado de Jesus a acolher seu reino e converter o coração.

 

Anúncios
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: